sexta-feira, 6 de junho de 2014

LEITURA DE IMAGENS - Vamos aprender a exercitar a análise de uma obra de arte!

Ficheiro:Van Eyck - Arnolfini Portrait.jpg

O Casamento dos Arnolfini ou Retrato dos Arnolfini ou o Casal Arnolfini

O quadro  encontra-se na National Gallery, em Londres. Mede 82 x 59,5 cm. O retrato é  pintado a óleo sobre tábua de carvalho e data de 1434.
Uma análise superficial da obra, mostra a união de Giovanni di Nicolao Arnolfini e Giovanna Cenami, ambos italianos abastados que se estabeleceram na cidade de Bruges. Deduz-se que o quadro havia sido encomendado pelo casal Arnolfini para representar o seu casamento, algo comum na época. 

Existem diferentes teorias sobre o significado e interpretação deste quadro. Geralmente a obra é interpretada como sendo uma certidão de uma cerimónia de casamento. Arnolfini e a sua esposa casam-se e o quadro retrata o momento em que o casamento é celebrado. O espelho convexo na parede de trás do quarto reflecte, para além de Arnolfini e da sua esposa, mais duas figuras na porta. Estão assim presentes duas testemunhas para legalizar o casamento. Uma delas é provavelmente o próprio pintor que coloca a sua assinatura acima do espelho: "Johannes van Eyck fuit hic 1434" (Jan van Eyck esteve aqui em 1434).  A moldura do espelho contém imagens da Paixão de Jesus Cristo e representa a promessa de Deus de salvar as pessoas no espelho redondo. O próprio espelho simboliza Maria e refere-se à Imaculada Conceição e à pureza da Virgem Santa, representando além disso o Olho de Deus, que, desta maneira, é testemunha na cerimónia.

O cão pode ser visto como símbolo da fidelidade; estabilidade doméstica e tranquilidade (‘Fido’, o nome usual em latim para os cães, significa ‘confiança’).

O castiçal de sete braços contém apenas uma vela, provavelmente a vela que a noiva ofereceu ao noivo segundo a tradição flamenga. Uma vela acesa à luz do dia simboliza por norma o sempre presente Espírito Santo ou o Olho de Deus.

As laranjas na mesa junto à janela referem-se provavelmente à fertilidade e simbolizam a pureza e inocência no Jardim do Éden antes da queda. Atrás do casal, as cortinas da cama conjugal estão abertas, sendo uma representação da visita e bênção da Santíssima Trindade.

Nem Arnolfini, nem a esposa usam sapatos. Este facto demonstra o respeito e consciência da santidade e beatitude do matrimónio. Os tamancos em primeiro plano são provavelmente um sinal de respeito pela cerimónia de casamento e apontam, além disso, para o facto de este acontecimento ter lugar em terra santa. Tradicionalmente os maridos ofereciam tamancos às suas esposas.

As cortinas vermelhas da cama referem-se ao acto físico do amor, à união carnal do casal. A cor verde do vestido da mulher simboliza a esperança (talvez a esperança de ficar mãe). A sua touca branca simboliza a pureza.

Outra teoria sobre este quadro interpreta o retrato no contexto económico e histórico da cidade de Bruges no século XV. No início do referido século, Bruges era o principal ponto  de comércio na Europa do norte, atraindo numerosos diplomatas, comerciantes e mercadores estrangeiros. Arnolfini, descendente de uma família italiana de mercadores muito importante de Lucca, viveu toda a sua vida em Bruges, onde negociava em tecidos preciosos, objectos e tapetes. O quadro representa o nascimento de uma burguesia rica de comerciantes internacionais. Vemos a senhora Arnolfini vestida segundo a última moda. O seu vestido, feito dos melhores e mais caros tecidos, até foi debruado com arminho. Na janela, há uma laranja descuidada, sinal de riqueza, já que apenas a elite rica podia permitir-se esses frutos. O quadro não mostra propriamente o que Arnolfini e a sua esposa possuem, mas antes o que querem mostrar a sua riqueza e o seu bem-estar. 
Estudos em infra-vermelho mostram a quantidade de retoques que Van Eyck fez no decorrer da obra para deixar a mão de Gioavanni perfeita. É um quadro reflexo dessa época, símbolo do perfeccionismo na pintura e, acima de tudo, único. A obra, considerada muito inovadora para a época em que foi concebida, exibe diversos conceitos novos relativamente às perspectivas e à acentuação dos segundos planos. Destaca-se o espelho no fundo da composição, em que toda cena aparece invertida, tal como a imagem do próprio artista.

Fontes: Jan Van Eyck. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2013.

sexta-feira, 14 de março de 2014

Teatros apresentados na Escola!

Tão bom poder ver nossos aluninhos crescendo e assumindo compromissos com a Escola...é o que se pode conferir ao assistir os teatros que apresentam a todo instante nos eventos que realizamos!
Assumem papéis, ensaiam com seriedade, produzem figurino e cenário ao mesmo tempo em que se divertem enquanto crianças que ainda são!! Muito bom tudo isso! Confiram alguns vídeos de teatros apresentados por nós aqui na Escola Vinícius de Morais:

terça-feira, 11 de março de 2014

E por falar em saudade...onde anda você?

Olá amigos da Escola Vinícius de Morais!
O ano de 2014 já chegou, e com ele muitas coisas boas vão rolar!
Aqui na Escola já preparamos tudo e garantimos que será um ano desafiador, cheio de novidades e alegria.
Confira algumas das news:

  • Feira do Livro e Dia da Solidariedade;
  • Oficinart;
  • Campanha de vacinação contra o HPV;
  • Projeto Copa do Mundo;
  • Projeto Eleições;
  • Saídas de estudos;
  • Mostra Cultural;
  • Projeto de Leitura;
  • Projeto Intercâmbio - Uruguai - Ensino Médio...
                                                                                ...tudo isso e muito mais! 
                                                                                Vamos fazer um 2014 diferente gente!!! :) 

sexta-feira, 14 de junho de 2013

História da Arte - T.71 - Estudo da moda/arquitetura dos séculos XVIII e XIX








Iniciamos recentemente uma viagem ao tempo através da história da Arte e, a fim de que os alunos consigam se transportar com maior envolvimento às épocas do estudo, construímos painéis onde a arquitetura e o vestuário contextualizados aos períodos trabalhados serviram de cenário para a aprendizagem do estilos artísticos rococó e neoclássico.
Para tal, fiz uma pesquisa e descobri bonecas de papel que datam de 1700, às quais as meninas desta época brincavam de vestir, o que fazia parte de uma preparação tanto para vida adulta quanto para maternidade, e levei para os alunos que puderam vivenciar esta experiência. Resultado muito bom!

Projeto Lixo, Arte e História - T. 61 e 62 Estudo da figura humana!





E Deus criou o homem à sua imagem e semelhança!
Modelagem em argila
Homem pré-histórico


Construção da figura humana com lasquinhas de giz de cera.